novembro 29, 2016 Reciclagem Nenhum Comentário

O que fazer com restos de poda?  E o que sobra da comida no prato?  Para que lugar encaminhar resíduos urbanos que se amontoam? Foi justamente para dar uma solução sustentável para esses processos que surgiu a empresa Organobom, no município da Serra, no Espírito Santo. Até então o que sobrava da manutenção de parques e jardins, seguia para aterros sanitários sem o uso correto. Seguindo as diretrizes do PNR, Plano Nacional de Resíduos, as empresas precisavam se adequar e reaproveitar esse tipo de material tão importante. Na sede da empresa, esse material se transforma e pode ser reutilizado como adubo, mas com um diferencial incrível para o plantio. Mas não é só isso, a empresa também recolhe restos de alimentos que antes eram jogados em lixões, que causam contaminação e prejuízos para o solo.

“A empresa Organobom busca parcerias no mercado para oferecer soluções sustentáveis para os resíduos orgânicos, um ótimo caminho para atender ao Plano Nacional de Resíduos”.

Francis Junger, Diretor comercial

A busca por parceria continua, outras empresas chegam para se informar de como funciona o processo. De acordo com Fábio Junger, Diretor Comercial da Organobom, novas instituições acreditam no processo e compram cada vez mais a ideia. “Estamos abertos a atender todas as empresas que geram resíduos orgânicos em alguma etapa de sua operação, principalmente em municípios da Grande Vitória. Já atendemos aos restaurantes da Arcelor Mittal, da Emec, responsável pelos resíduos de poda da Prefeitura Municipal da Serra, da BR Ambiental, que é responsável pela limpeza de feiras do município da Serra, além de várias indústrias alimentícias do estado. A Organobom oferece a seus clientes toda a gestão dos resíduos, ou seja, o acondicionamento na planta do cliente, o transporte, a destinação e o tratamento até virar adubo”, explica Fábio.

A compostagem caseira tem sido muito difundida, aos poucos as pessoas adquiriram consciência para poluir menos e reutilizar mais. Uma tendência mundial, que já é crescente em outros países, mas que vem chegando com muita força também no Brasil. A compostagem feita pela Organobom é um pouco diferente da caseira. “O princípio utilizado é o mesmo. A diferença são as adequações necessárias devido ao volume. Trabalhamos com equipamentos e tecnologia que aceleram o processo e permite a movimentação dos resíduos em grandes volumes. A KMA é a proprietária da tecnologia ADB (Auto Digestão biológica), que permite a decomposição dos resíduos em curto espaço de tempo. Somos representantes exclusivos deles para a Região Sudeste do Brasil”, afirma Fábio.

A capacidade da Organobom é de 150 Toneladas/dia de resíduos. A empresa possuí uma área licenciada de 78 mil m2, a utilização tem sido pouco mais da metade. Existe condições de ampliação, dependendo do crescimento das parcerias e também da necessidade do mercado.

 

COMPOSTAGEM ACELERADA

É através do processo de compostagem acelerada, graças a parceria com a KMA proprietária do Sistema ADB, que a Organobom trabalha com diferentes tipos de resíduos orgânicos, por meio da digestão e decomposição aeróbia. O sistema com umidade, temperatura e oxigenação, gera um ambiente para que a matéria orgânica faça a oxigenação, acelerando o processo de decomposição, liberando calor e aumentando a temperatura.
Importante destacar que neste processo não é preciso grandes áreas, um substrato composto por serragem, vindo de material reciclado de poda, facilitam o ambiente para a aceleração. O material consegue ficar homogêneo e na temperatura necessária. Neste tipo de sistema, a degradação do resíduo orgânico leva até 72 horas para se decompor, tendo uma diminuição de massa de até 90%.

Saiba mais

    – Segundo a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e agricultura, cerca de um terço dos alimentos produzidos no planeta vai para o lixo.

    – Em aterros esses resíduos geram chorume que contaminam o solo

    – Com a Lei do Resíduo Sólido, não é mais possível descarta-los em lixões e aterros controlados, sendo assim as usinas de compostagem são uma alternativa para a destinação deste tipo de resíduo.

    – O processo de compostagem visa a decomposição da matéria orgânica com o objetivo de se obter um material estável, rico em nutrientes, sendo uma das alternativas utiliza-la como adubo.

    – O Sistema ADB é uma alternativa para o tratamento de resíduos orgânicos. O processo tem capacidade de decompor a matéria orgânica, num período de tempo de 24 a 72 horas, o tradicional chega a 120 dias.

    – Os cidadãos precisam ter consciência da quantidade de resíduo que é gerado sem necessidade, como os alimentos que são descartados, no entanto poderiam ser consumidos. Evitar o desperdício é uma forma de cuidar do meio ambiente.

Como é  processo?

    1) O processo visa a compostagem de diferentes tipos de resíduos orgânicos, por meio da digestão e decomposição aeróbia por populações existentes nos próprios resíduos e com a utilização de um substrato que contêm microrganismos em condições controladas. Este processo ocorre por meio de microrganismos termófilos que controlam principalmente a formação de patógenos e larvas de moscas.

    2) O Sistema ADB – Alta Digestão Biológica é um processo de aceleração da decomposição de resíduos orgânicos, em que sob controle de umidade, temperatura e oxigenação, gera um ambiente para que a população inoculada execute o processo de oxidação da matéria orgânica, fazendo com que haja a intensificação da ação de decomposição, liberação de calor e elevação rápida da temperatura.

    3) Consiste num simples processo de aceleração da decomposição de resíduos orgânicos, tendo ainda a vantagem de não necessitar de grandes áreas para implantação. Todo o material é homogeneizado e colocado em formato de monte atingindo a temperatura necessária para a decomposição.

Written by OrganoBom